Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" e o discurso da "humildade"

(Por Demétrio Correia)

"Espíritas" exaltam os "médiuns" deturpadores do legado kardeciano como "simbolos absolutos de humildade".

Um discurso construído que comove a muitos.

Mas é aquela comoção que parece uma masturbação com os olhos.

O êxtase religioso da choradeira fácil, da diversão com o sofrimento dos outros, das fantasias místicas que envolvem os ídolos religiosos.

A falsa humildade da pose de mansidão - os "espíritas" usam muito "mansuetude" - que serve de escudo para deturpar o legado de Kardec a torto e a direito.

Uma pose de humildade, que permite que os "médiuns" possam ferir com doces palavras e depois recolher em choro fingido quando são duramente criticados.

Francisco Cândido Xavier e Divaldo Franco já fizeram seus julgamentos de valor severos.

Chico Xavier acusou os pobres espectadores de um espetáculo circense que terminou em tragédia de terem sido romanos sanguinários.

Sim, Chico Xavier acusou GENTE HUMILDE de ter sido aristocratas gauleses (a Gália era como a França era conhecida nos tempos do Império Romano) com sede de sangue e fome de fogo.

Divaldo Franco acusou outros HUMILDES de terem sido sanguinários em vidas remotas.

Ele havia dito, em entrevista recente, que os refugiados do Oriente Médio eram "antigos colonizadores" que oprimiram os povos nativos nas Américas.

Divaldo ainda acusou os pobres refugiados de "buscarem o ouro" no "retorno" ao solo europeu.

Juízo de valor semelhante já custou um processo judicial.

Já que o acidente com um avião da TAM, no Aeroporto de Congonhas (a ser rebatizado, ironicamente, com o nome de um figurão "espírita"), faz dez anos, lembremos do caso de Voyne Figner Sacchetin, médico e suposto médium de São José do Rio Preto.

Ele escreveu um livro, O Voo da Esperança, acusando as vítimas do acidente da TAM de terem sido gauleses sanguinários e botou na responsabilidade do há muito falecido Alberto Santos Dumont, tido como suposto autor espiritual.

A mesma coisa o "iluminado" Chico Xavier fez a respeito das vítimas do tal incêndio no circo que havia sido instalado em Niterói, para uma temporada no final de 1961.

Usando o mal disfarçado nome de Humberto de Campos (sob o suposto codinome de Irmão X), Xavier acusou as HUMILDES vítimas de terem sido romanos sanguinários.

Foi no livro Cartas e Crônicas, de 1966.

Chico Xavier nunca recebeu um processo judicial por isso, mas tal situação não lhe é atenuante, mas agravante em relação ao dr. Sacchetin.

Isso porque as "vítimas" de Sacchetin tinham poder aquisitivo e instrução para mover advogados e processar o "médium" acusador.

Já as "vítimas" do "bondoso" Chico Xavier eram pessoas pobres, negras, mestiças, inocentes e de baixa instrução, sem noção sequer de que seria possível processar um "médium" desses, mas também sem dinheiro para pagar um advogado.

Talvez essas pessoas nem haviam sido informadas de tamanha atrocidade cometida pelo "maior símbolo de humildade do Brasil".

As pessoas que ficam presas no misticismo "espírita" entendem a humildade apenas no jogo de cena dos ídolos religiosos e nas ações paternalistas do Assistencialismo.

Esquecem o quanto o moralismo "espírita" é cruel com o sofrimento humano.

Quanto juízo de valor é feito escondido em belas palavras.

O que as paixões religiosas fazem para cegar tanta gente, diante da adoração dos "médiuns" deturpadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …