Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" tenta provar "autenticidade" de Chico Xavier com... Algoritmos?!

(Por Demétrio Correia)

O "movimento espírita" é gozado.

Seus pregadores pedem para que não se questione as "psicografias" de Francisco Cândido Xavier.

A desculpa é o "mistério da espiritualidade".

Dizem que, quando o espírito muda de estilo, é porque os interesses do além-túmulo "mudaram".

Quanta leviandade.

Algumas correntes "espíritas" chegam a dizer que a individualidade é um capricho materialista e terreno, quando a pessoa morre ela passa a adotar uma "personalidade mais universal".

Mais ou menos como nos animais domésticos.

A visão materialista que o "espiritismo" brasileiro concebeu dos mundos espirituais descreve pessoas inócuas que só comem, bebem e fazem seu lazer qualquer nota.

Nada de individualidade, vista como "frescura terrena", nem de usar o cérebro, que os "espíritas", igrejeiros e obscurantistas, amaldiçoam com o mito do "tóxico do intelectualismo".

E aí, no entanto, vamos um episódio inusitado, tendenciosamente publicado pelo Yahoo! Finanças.

Com uma reportagem favorável a Chico Xavier, o texto fala da técnica do Deep Learning para analisar três volumes, cada um atribuído a um suposto espírito: Emmanuel, André Luiz e um Humberto de Campos claramente fake.

Com o Deep Learning, cada obra é digitalmente registrada com o maior número de dados possível, aparentemente relacionado com a estrutura do texto e o modo de organização de frases e palavras.

É a combinação de algoritmos, como é feito no Facebook e no WhatsApp para selecionar o envio de postagens de acordo com o perfil de cada usuário.

Diante disso, forjou-se um "mecanismo" com base nos dados apresentados.

Usou-se os dados correspondentes ao livro de Emmanuel para "reescrever" o livro atribuído a Humberto de Campos.

Aparentemente o resultado deu errado e os técnicos atribuíram isso a uma "diferença de estilo".

Os critérios são muito duvidosos e as fontes, escassas.

Além disso, nada garante que haverá êxito na identificação de estilos.

Mesmo quando se "reescreveu", digitalmente, as obras de William Shakespeare, houve margem de erro, apenas havendo relativo sucesso na imitação do estilo original do dramaturgo inglês.

E se confrontasse um Humberto de Campos original com o suposto espírito?

Os estilos dos dois não batem e, certamente, o autor maranhense seria incapaz, digitalmente, de "reescrever" os livros "espirituais" a ele atribuídos.

Mas a técnica é tão duvidosa que é capaz de apresentar os mesmos problemas até em diferentes obras de Jorge Amado, por exemplo.

O "movimento espírita" queria apostar nos algoritmos como última salvação de Chico Xavier.

Ele anda sendo questionado, não só por nós, mas por muita gente na Internet: da "mediunidade" ao "altruísmo", tudo está sendo contestado.

Não é uma máquina que vai dar a última palavra na avaliação de sua duvidosa psicografia, cujas irregularidades já foram identificadas por pesquisas minuciosas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …