Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" brasileiro apoiou o golpe de 2016. Você já sabia disso?

(Por Demétrio Correia)

Os "espíritas" costumam dizer, de forma bem matreira.

"Nós temos consideração total com todos. Defendendo a fraternidade, acolhemos pessoas à esquerda e à direita igualmente como nossos queridos irmãos".

Isso faz os esquerdistas dormirem tranquilos e poderem se entreter combatendo somente os evangélicos de tendência neopentecostal.

Até que os "progressistas espíritas", com seu "carinho" às esquerdas, despejam "pérolas" do tipo:

"Nosso carinho e nosso espírito de perdão se ampliam até mesmo a ditadores como Nicolas Maduro e o espírito Fidel Castro, aos quais estamos sempre de portas abertas para recebê-los como amáveis irmãos".

Pronto. Os "espíritas" despejaram o veneno do reacionarismo no diabético mel de suas palavras.

Muitos estranham quando se diz que os "espíritas" se tornaram conservadores e reacionários. Usam até mil falácias.

Uns dizem que o "espiritismo", pela fachada futurista, "nunca poderia" ser conservador.

Outros alegam que o "espiritismo", tendo a "caridade" como princípio, não poderia se naufragar em tão infeliz postura.

Muitos se motivam pelas imagens de crianças pobres que tanto ilustram a publicidade "espírita" e os memes desta doutrina no Facebook.

"Absurdo, isso! Eu sempre vejo nos espíritas a doutrina mais progressista que existe, sempre comprometido com a evolução do planeta e o fim das injustiças".

Ingenuidade existe aos montes neste planeta, e é o prato principal do cardápio do cotidiano dos brasileiros.

O "espiritismo" sempre foi conservador, desde que jogou Allan Kardec de escanteio e preferiu o medieval Jean-Baptiste Roustaing para criar suas bases doutrinárias no Brasil.

Criou-se até um pseudo-Kardec em falsa psicografia, pedindo para ler "a revelação da Revelação", para forçar o apoio a Roustaing.

Depois a coisa ficou mais dissimulada, com um "roustanguismo sem Roustaing e com Kardec".

Mas já se tinha como astro maior o deturpador Francisco Cândido Xavier, que "traduziu" Roustaing para a realidade brasileira.

Com Chico Xavier no comando, dispensou-se Roustaing. O roustanguismo estava inteiramente preservado com o chiquismo.

Chico Xavier sempre foi conservador, até o fim. Era católico de valores ortodoxos, era um Olavo de Carvalho de seu tempo, só que com um discurso menos rabugento.

Defendeu o golpe militar de 1964, defendeu a ditadura até o fim, apoiou Fernando Collor contra Lula em 1989 e, no fim da vida, recebeu seus herdeiros espirituais Aécio Neves e Luciano Huck.

Chico Xavier era tão "maroto" quanto Aécio Neves.

Se o senador mineiro se envolveu numa diversidade de esquemas de propinas, o "médium" produziu inúmeras obras fake, querendo se promover às custas dos mortos, principalmente prematuros.

Divaldo Franco, com seu ar professoral dos anos 1930, também é um sujeito bastante conservador.

A exemplo de Chico Xavier e do "espiritismo" no conjunto da obra, Divaldo apoia a Teologia do Sofrimento, a corrente católica medieval que os "espíritas" pegaram emprestado.

É a corrente do "quanto pior, melhor": quanto mais sofrer, mais rápido irá para o Céu. E os "espíritas" falam assim como se fossem pais dizendo para as crianças se comportarem direitinho para depois irem ver o Papai Noel.

Daí não ser estranho dizer que o "espiritismo" brasileiro é golpista.

Os "espíritas" apoiaram o golpe de 2016. Seus textos demonstram isso: apoio à Operação Lava Jato, exaltação das passeatas anti-Dilma, apoio às reformas do governo Michel Temer etc.

Vejam o que declarou o "Correio Espírita" na edição de julho de 2016, na capa, correspondente às passeatas do "Fora Dilma":

"O crescimento da participação ativa dos jovens na política pode ser um grande passo do Brasil no caminho do Planeta de Regeneração".

Leia-se "participação ativa dos jovens" grupos de orientação fascista como o Movimento Brasil Livre e os Revoltados On Line, entre outros, na ironia dos "espíritas" geralmente se manifestarem contra a ideia de revolta.

Só falta dizer que os patéticos Kim Kataguiri e Fernando Holiday serem definidos como "crianças-índigo".

Ou classificar os filhos mais ambiciosos de Jair Bolsonaro, Flávio e Eduardo Bolsonaro, como "crianças-cristais".

Fala sério. As "iluminadas" passeatas do "Fora Dilma" mostraram até símbolos nazistas e senhoras foram vistas com a faixa "Por que não mataram todos em 1964?".

Tão zeloso em rejeitar o ódio, os "espíritas" acabaram apoiando manifestações de puríssimo ódio.

Enquanto isso, há textos pedindo para os sofredores terem paciência e aguentarem desgraças, uma mensagem subliminar à defesa "espírita" dos retrocessos sociais de Michel Temer.

Michel Temer citou uma frase: "Não reclame da crise. Trabalhe". Emmanuel já havia dito: "Não reclame. Trabalhe e ore".

Depois os "espíritas" ficam chorando em soluços porque foram classificados de conservadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.