Pular para o conteúdo principal

O "espiritismo" e suas pretensas unanimidades

(Por Demétrio Correia)

O jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues (foto) havia dito que "toda unanimidade é burra".

Vivemos numa sociedade complexa e isso faz muito sentido.

Talvez o sentido de validade de uma coisa tenha que envolver não a totalidade de pessoas, mas a maioria esmagadora delas.

Um consenso se forma não necessariamente pela totalidade de apoio, mas pela ampla maioria possível.

Quando se forjam pretensas unanimidades, interesses estão em jogo. Totalitários, absolutistas, monopolistas.

No "espiritismo", o caso do arrivista Francisco Cândido Xavier é ilustrativo.

A memória curta apagou a lembrança de que ele tinha sido um pastichador de livros e um usurpador oportunista de ilustres falecidos e explorador das tragédias alheias.

Ele virou "unanimidade", oficialmente, pelo "trabalho do bem" a que foi oficialmente associado, sem necessidade de haver dados precisos e objetivos, mas pelo apelo à emoção da idolatria religiosa.

Poucos sabem que essa "imagem linda" de Chico Xavier como o "homem chamado Amor" foi construída como uma peça de marketing.

Isso não é invenção de intolerante religioso. Fatos objetivos comprovam isso.

Primeiro, foi a habilidade de Antônio Wantuil de Freitas, que construiu um "popstar" para difundir e popularizar um "espiritismo" deturpado com os ideais de Jean-Baptiste Roustaing.

Nessa época Chico Xavier abrasileirou o roustanguismo, de forma a que, se possível, substituir o próprio Roustaing, considerado "polêmico demais", quando este tivesse que ser descartado.

Segundo, foi a habilidade da Rede Globo de Televisão, que queria um nome "ecumênico" para fazer frente aos pastores neopentecostais que usavam a mídia para atraírem popularidade, como R. R. Soares e Edir Macedo, este mais tarde dono da Rede Record.

A Rede Globo tomou emprestado o roteiro de Malcolm Muggeridge para Madre Teresa de Calcutá e inseriu o marketing da "caridade" para transformar Chico Xavier num "filantropo".

Um discurso que aliciou corações e mentes, e forjou uma "unanimidade" por conta de um modelo de "caridade" que mais deslumbra do que ajuda.

E aí, pronto. Por mais que se multipliquem questionamentos acerca de Chico Xavier, o maior deturpador da Doutrina Espírita, prevalece a visão oficial, contraditória mas agradável.

A de um "médium filantropo" que "entendeu um pouco mal o Espiritismo, mas praticou caridade".

Essa "bondade" é tão "verdadeira" quanto o poder de embranquecimento de um sabão em pó de marca medíocre.

As pessoas não percebem que é uma "bondade" que beneficia muito pouco, que quase nada realiza na superação das desigualdades sociais.

E isso não é por falta de oportunidade, mas por falta de interesse. O próprio "espiritismo" de Chico Xavier apelava para os sofredores aguentarem desgraças e perdoarem os abusos dos algozes.

Isso já impede que boa parte das desigualdades sociais fossem combatidas.

Portanto, se as pessoas parassem para pensar, a "unanimidade" que beneficia não só Chico Xavier, mas Divaldo Franco, João de Deus e tantos outros, soa muito ridícula.

A alegação de "bondade" é frouxa, uma "bondade" que mais beneficia o ajudador do que o ajudado.

É como naqueles livros de auto-ajuda que quase nada contribuem para a melhoria de vida do leitor.

Mas que garantem a visibilidade e o estrelato de seus autores.

As pessoas deveriam, portanto, rever suas idolatrias viciadas, antes de cair em mais um ridículo da unanimidade estúpida.

Muitos ídolos do "espiritismo" são deturpadores severos que tentam acobertar a traição que fazem com Allan Kardec com simulacro de filantropia.

Um bom meio para se desapegar da idolatria "mediúnica" é admitirmos que muito do que se entende como "bondade" não passa de um mero discurso publicitário para iludir as pessoas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …