Pular para o conteúdo principal

Palestrantes "espíritas" acendem duas velas a dois senhores

(Por Demétrio Correia)

Os "espíritas" não se decidem.

Num momento, escrevem textos bajulando Erasto, citando aquela frase "mais válido recusar dez verdades que aceitar uma única mentira".

Noutro momento, exaltam Emmanuel e definem seus textos mistificadores e medievais como "admirável sabedoria".

Acendem duas velas a dois senhores contraditórios, Allan Kardec e Francisco Cândido Xavier.

Se dizem com "fidelidade absoluta" e "respeito rigoroso" ao legado do professor lionês.

Mas idolatram Chico Xavier, cujos livros mostram conceitos que entram em séria colisão com a obra kardeciana.

Os "espíritas" entram em contradição o tempo todo.

Afinal, se prestar atenção aos alertas de Erasto, sobre os "inimigos internos do Espiritismo", as críticas são endereçadas aos "heróis" do "movimento espírita".

Erasto falava dos deturpadores da Doutrina Espírita, que falariam as coisas mais belas do mundo para inserir ideias levianas e traiçoeiras.

Falava que os deturpadores poderiam dizer ou fazer "coisas boas", mas isso era um gancho para convencer as pessoas a aceitar ideias deturpadas, conceitos delirantes, ideias ilógicas.

Dá pena que os palestrantes "espíritas" ainda falam em lógica e pedem "coerência na conduta espírita".

Será que eles agem em boa-fé?

Uns, talvez, sim. Mas muitos agem em má-fé, e se guiam por traduções deturpadas da obra kardeciana.

A tendência dúbia do "movimento espírita" é um problema que existe há, pelo menos, quase 45 anos.

A ideia do "espiritismo" bajular Allan Kardec no discurso e exaltar o igrejismo na prática.

Quem age com boa-fé, acha que isso é um "equilíbrio" entre a fé religiosa e a razão intelectual.

E acredita que, se houver uma contradição, a "caridade" resolve e une os dois pólos opostos.

Grande ilusão.

Não serão os "ensinamentos de Jesus" que irão costurar fantasias religiosas de valor duvidoso com argumentos lógicos e consistentes.

O "espiritismo" vive sua crise porque construiu suas bases na contradição.

Não são bases sólidas e um dia elas caem. E já estão ruindo, hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.