Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo", no Brasil, vaticanizou geral

(Por Demétrio Correia)

O "espiritismo" brasileiro virou apenas um outro Catolicismo.

Para piorar, virou uma religião da dissimulação, da mediocridade, do moralismo conservador.

Dotado da mais bela embalagem entre os movimentos religiosos, seu conteúdo, no entanto, é mais podre do que os mesmos.

Tudo ficou tão igrejificado que o "espiritismo" virou um grande Vaticano.

Vaticanizou geral.

E se vaticanizou tanto que os vaticanizadores falam mal da vaticanização dos outros.

Falam tanto e pedem com insistência para todo mundo "viver Allan Kardec" e dizem pregar o "espiritismo autêntico".

Mas tratam o pedagogo francês como se fosse um capelão de província, e botam na responsabilidade dele ideias e práticas que em nenhum momento Kardec defenderia.

Falam em "respeito rigoroso" e "fidelidade absoluta" aos postulados espíritas originais, mas são eles os traidores de primeira hora.

A desonestidade doutrinária é o defeito mortal do "espiritismo" brasileiro.

E é isso que está provocando uma grave e irremediável crise.

E essa crise é tão grave porque o "espiritismo" diz adotar uma postura e pratica outra, bem diferente.

Diz ser vinculada ao Espiritismo original, trazido pelo pedagogo de Lyon.

Mas pratica o igrejismo roustanguista mais gosmento, mais pegajoso, que predomina na totalidade das "casas espíritas".

A crise tenta, mais uma vez, ser jogada por baixo do tapete, onde "repousam" Jean-Baptiste Roustaing e Antônio Wantuil de Freitas, os maiores igrejificadores do Espiritismo.

Hoje os dois têm seus nomes esquecidos e escondidos do imaginário dos "espíritas", pela gravidade dos erros que fizeram.

Mas como esses erros nunca foram reparados, Roustaing e Wantuil assombram, com seus fantasmas, mesmo os "médiuns" que falam em "viver plenamente as lições originais de Kardec".

Hoje Roustaing e Wantuil gritam para os "espíritas", assim como, de dentro da prisão, o ex-deputado Eduardo Cunha grita para o presidente Michel Temer e seus aliados.

Um grito que os "espíritas" se esforçam em não ouvir, tapando os ouvidos de tamanho horror.

Mas o barulho desse grito se tornará ainda maior, porque as contradições não podem ficar escondidas por muito tempo.

Muitos valores estão sendo revistos no Brasil e muitas farsas são desmascaradas, no âmbito da Política e Economia.

Totens do cenário político, jurídico, midiático e empresarial começam a serem postos em xeque, devido aos seus maus procedimentos.

Por que teriam que escapar os "espíritas" que cometeram tantos erros e tão graves erros diante de tanta deturpação da Doutrina Espírita?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …