Nos momentos mais difíceis...

(Por Demétrio Correia)

Num "auxílio fraterno" de uma "casa espírita", um paciente retornava para fazer uma nova avaliação.

- Sabe, há alguns meses eu estive aqui, falando de minhas dificuldades de vencer na vida, sabe?

- Sei, sei. E aí, o que me diz? - responde o atendente;

- Sim, porque eu até agora não superei aquelas dificuldades. - reclama o paciente.

- Mas e aí, você fez alguma coisa para vencer na vida?

- Fiz, sim!

- Quando surgiu aquela oportunidade de emprego, você se esforçou para conseguir o tal trabalho?

- Já. Dei tudo de mim, mas de repente a resposta de emprego demorou, demorou e um almofadinha passou a perna em mim e pegou o emprego que quase estava em minhas mãos.

- E o concurso público? Você estudou bem o programa previsto no edital?

- Rigorosamente. Tudo dentro do programa, mas a prova depois veio com questões bem diferentes do programa e surgiu grave de bibliotecários na faculdade onde mais tinha material para eu estudar. Fiz o possível, mas não consegui passar na prova.

- E na vida amorosa, como está? - pergunta o atendente.

- Eu era amigo de várias moças, em situações diferentes, que pareciam certas para serem minhas namoradas.

- E o que aconteceu?

- Todas sumiram do meu caminho. A primeira, de repente, se mudou para uma cidade bem distante, no momento em que eu não pude manter contato com ela.

- E a segunda?

- Conheceu um outro homem e se casou, assim de repente?

- E a terceira?

- Morreu num acidente de trânsito.

- Mas há alguma que permaneceu no seu caminho, não é?

- Não, mas de repente surgiram algumas periguetes que passaram a cismar comigo sem saber se eu tenho ou não afinidade com elas. E eu não tenho afinidade, sabe? E elas sempre permanecem acessíveis, duas delas são vizinhas minhas!

- E daí?

- E, além delas não fazerem o meu tipo, tem uma que ouvi comentários que foi namorada de um carinha da pesada numa comunidade próxima. Dizem que era um cara bem ciumento e vingativo.

- Mas não seria uma boa oportunidade para você namorar uma delas e promover o diálogo?

- Não, porque elas possuem sérias desavenças de personalidade comigo.

- Mas as desavenças não impedem que você e alguma delas viva no mais perfeito entendimento.

- Impedem, sim. E, além do mais, não tenho capacidade de influenciar impondo coisas a alguém, forçando uma mulher a ser como eu. E nenhuma destas me atrai, está entendendo?

- Então tá... - disse o atendente, um tanto sem graça. Após poucos segundos de silêncio, perguntou. - A propósito, você se manteve numa sintonia positiva?

- Sim.

- Você mudou seus pensamentos, deixou de reclamar tanto da vida?

- Deixei. Pude me divertir mais, reforcei minha fé, tornei-me mais otimista, fiquei mais descontraído.

- Tirou algumas horas ou minutos para orar?

- Sim, virei um exímio rezador de preces!

- E o que aconteceu na sua vida?

- Olha, amigo, em vez de melhorar e superar as dificuldades, eu só tive mais problemas. E ainda fui vítima de uma terrível campanha de cyberbullying, nas redes sociais, e um valentão ainda criou um blog para me ofender.

- Por que não dialoga com esse pessoal? Talvez você possa mostrar seu perdão a eles.

- Está louco? Se eu disser que perdoo todo mundo, aí é que o pessoal vai cair mais na gozação! Vai ter engraçadinho vindo com "olha só o misericordioso! Vamos zoar com ele que ele agradece! KKKKKKK!".

- Acho que você deveria orar mais e sintonizar com Deus!

- Está brincando? Eu rezei demais, mudei os pensamentos, fiquei com a consciência limpa, aumentei minha fé, tive jogo de cintura, meti a cara quando era preciso, e nada de bom acontecia. Eu só atraía coisas ruins!

- Olha, meu irmão, se você está sofrendo dificuldades tão pesadas, é porque isso é necessário para seu aprendizado. De repente, o que lhe parece prejuízo e azar é um grande benefício para você. O jeito é sorrir para a vida e aceitar os desígnios do alto.

- Que moral você tem para dizer que minhas dificuldades extremas são benefício? Eu vim aqui pedir socorro e você me diz isso? Se eu fosse ao médico comunicar uma doença, ele nunca me diria que eu estava saudável e deveria aceitar a enfermidade!

- Mas, meu amigo, veja bem...

- Vocês, dos "centros espíritas", falam tanto em caridade, fraternidade e ajuda, mas quando estamos em dificuldades, tudo o que vocês pregam é aceitar o sofrimento. Não dá para contar com amigos assim nos momentos de maiores dificuldades. Com licença...

Comentários