Pular para o conteúdo principal

Os falsos cristos e falsos profetas

(Por Demétrio Correia)

Já se alertou sobre os falsos cristos e falsos profetas.

Esses alertas vêm de muito tempo.

Vem desde a Antiguidade, com Sócrates alertando sobre os falsos sábios.

Passou por Jesus de Nazaré, alertando sobre os falsos profetas.

Mais próximo da época contemporânea, Allan Kardec também fez alerta sobre falsos cristos e falsos profetas.

Erasto, o espírito do discípulo de Paulo de Tarso, também alertou sobre os farsantes a usurpar a Doutrina Espírita.

No Brasil, as pessoas ficaram surdas a esses apelos. Totalmente.

Em nome das "mensagens de amor" e do "pão dos pobres", quantos oportunistas aparecem, deturpando Kardec mas fingindo "respeitarem rigorosamente" seu legado.

Quantos farsantes dizem reprovar a "vaticanização do Espiritismo" mas elogiam tudo que for de igrejista que pegar carona na doutrina kardeciana.

Quantos farsantes, se escondendo por trás de gente pobre, fingindo humildade e modéstia, forjando falsa sabedoria, criando mediunidade fake, jogando moralismo retrógrado religioso!

Ah, não são apenas os falsos cristos e falsos profetas que a deturpação do Espiritismo oferece.

Há os falsos cristos, que, quando são duramente criticados pela deturpação, apelam para o vitimismo barato, se fingindo de "crucificados".

Há os falsos profetas, que estabelecem datas fixas para o progresso da humanidade, como meio de atraírem apoio para si.

Mas há também os falsos erastos, falsos kardecs, a cobrar "coerência espírita", a mesma que eles mesmos se recusam a praticar.

Os oportunistas mudam os seus truques, criam novos repertórios de esperteza.

É como um vírus na Internet que se recicla constantemente desafiando os mecanismos anti-vírus.

O problema é que os anti-vírus religiosos dos brasileiros são sempre desatualizados.

Ninguém desconfia da esperteza dos "médiuns espíritas" e suas ideias mistificadoras.

Ninguém desconfia de seus livros "psicográficos" cheios de preconceitos igrejeiros, lançados para enriquecer os "médiuns" sob a desculpa da "doação para a caridade".

Ninguém desconfia do aparato superficial do Assistencialismo que os "médiuns" dizem praticar.

Ninguém desconfia do caráter traiçoeiro de suas palavras adocicadas.

Com tanto aparato de beleza, as pessoas ainda se comportam como aquele anti-vírus do computador infectado que diz que "não há infecções no computador".

Acham ser impossível desconfiar de tão espertos deturpadores do Espiritismo, porque acham que o igrejismo é "saudável", as "palavras de amor" sempre confortam e a "caridade" aparente sempre ajuda.

Esquecem que o igrejismo pode ser obscurantista, as belas palavras podem enganar e ferir e a suposta caridade pode representar exploração social das classes pobres e outras atitudes ilícitas, como lavagem de dinheiro.

E os "médiuns" que ficam fazendo turismo pelo Brasil e pelo mundo, sob a desculpa de espalhar a "boa nova", enquanto sua "caridade transformadora" só traz resultados abaixo de medíocres?

Ah, quanta falsidade precisa ser desmascarada, por ela ser vista, ainda, como a "melhor das verdades"...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …