Pular para o conteúdo principal

O "espiritismo" e o efeito da ideia de "inimigo de si mesmo"

(Por Demétrio Correia)

Que perigo o "espírita" falar em "inimigo de si mesmo".

Uma falácia supostamente trazida da filosofia oriental, através de interpretação leviana de uma metáfora.

Esquecemos de aberrantes imagens que se propagam sob o rótulo da religião.

Pessoas carregando a cruz, em ilustrações "bonitinhas".

Montagens de uma pessoa em duas posições, como se estivesse lutando contra si mesma.

Mensagens de suposta sabedoria falando para a pessoa "vencer a si mesma" e, movidas de emoção, apelando para "esse necessário combate".

Ah, quanto perigo dessa pregação tão traiçoeira.

Não adianta alegar que isso é metáfora, se o discurso é dado de forma direta, firme e taxativa.

No calor da declaração, o discurso é direto e feito ao pé da letra.

Sem explicações, apenas jogado na cara dura das palavras que ferem.

E são dadas, pasmem, por gente que se diz arauta da esperança e do otimismo.

Defendem a autoestima mas pregam a ideia do "inimigo de si mesmo".

Rejeitam o suicídio mas defendem a falácia de vencer a si mesmo.

Fazem tantas pregações neste sentido, achando que o sofrimento extremo e o abandono até dos talentos e necessidades humanas só leva as pessoas à prosperidade.

Ah, quanto o moralismo religioso pode levar tanta gente ao suicídio.

Os "espíritas" que pregam taxativamente o "amor ao sofrimento" e o "combate da pessoa contra si mesma" podem estar inspirando o suicídio que tanto afirmam reprovar.

Só que esse suicídio inspirado no moralismo severo acaba tendo o gosto amargo para os pregadores "espíritas", de um homicídio culposo.

A ideia de "inimigo de si mesmo" é inimiga do bem estar e do progresso individual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.