Pular para o conteúdo principal

Onde há confusão, a coerência não encontra morada

(Por Demétrio Correia)

Muitos pensam que as contradições e sérias divergências que envolvem o "movimento espírita" no Brasil representam "diversidade" e "equilíbrio".

Observando o legado original de Allan Kardec, conclui-se que isso não é verdade.

Há muita confusão no "movimento espírita", por causa de tanta deturpação do conteúdo kardeciano.

E isso se deu a partir de Francisco Cândido Xavier.

O próprio Chico Xavier, católico ortodoxo, usurpador de mortos, causou muita confusão ao lançar obras fake usando os nomes de autores literários mortos.

Chico alimentou muito sensacionalismo, e só o currículo dele já desmerece todo o endeusamento que se dá a ele, mesmo o endeusamento dissimulado que o define como "humilde".

Ele criou tanta confusão que hoje qualquer um fez e faz o que quer com o legado kardeciano.

Há gente que diz que fulano foi reencarnação de cientista, padre, rei, mendigo etc.

Há o vazio doutrinário que tenta ser preenchido por palavras dóceis de enjoada pieguice.

Tem gente que diz que Chico foi "profeta", e tem quem renegue isso.

Há os roustanguistas assumidos e outros, envergonhados, que só leem J. B. Roustaing às escondidas, enquanto fingem serem "discípulos fiéis da obra de Allan Kardec".

Há quem evoque Ramatis, há quem evoque Pietro Ubaldi, há quem finja ser cientista ou filósofo e há quem coloque até Horóscopo na pauta "espírita".

Há quem defenda a Teologia do Sofrimento (ainda que nunca assuma essa teoria), e há quem se envergonhe dessa corrente católica medieval.

Há quem ache Emmanuel retrógrado demais, mas há outros que acreditam em sua "modernidade".

E, com tanta confusão, há quem acredite na tal "coerência espírita" dentro desse contexto.

Ora, onde há confusão, a coerência não encontra morada. Nem adianta insistir.

Se verificarmos as contradições do "movimento espírita" ao longo dos tempos, veremos que elas são do mais alto grau de gravidade.

Não se pode definir um furacão como uma leve brisa, se os efeitos do mesmo são devastadores.

As confusões do "espiritismo" brasileiro, muitas feitas pelos seus maiores astros, tiveram efeitos extremamente graves e arruinaram o legado de Allan Kardec.

Isso se comprova com fatos e não são meras especulações.

Os defensores do "espiritismo" é que ficam apavorados, pedindo relativização a tudo.

De relativização em relativização, deixa-se tudo como está e o que vemos, sob o rótulo de "fraternidade espírita", é uma grande podridão escondida sob o tapete.

Para piorar, os envolvidos em tantas e tão graves confusões ainda querem falar em defender "um único Espiritismo, o de Kardec", mas fazem "espiritismo à moda da casa".

Há quem critique a "vaticanização" do Espiritismo, mas que em verdade pratica, com muito gosto, aquilo que diz condenar.

Ah, tantas e tantas confusões que dariam em um enorme livro de milhares de páginas.

O quanto o "espiritismo" brasileiro se reduziu a uma bagunça, a um caótico sub-Catolicismo de essência medieval.

Confunde-se a confusão com a diversidade, a contradição com o equilíbrio.

Era isto que, ainda nos tempos de Allan Kardec, o espírito Erasto queria prevenir.

O Brasil ficou surdo a Erasto e não quer largar o osso da deturpação espírita.

Os deturpadores logo reagem com Ad Passiones, a falácia das "belas palavras" e das "lindas mensagens".

Tentam calar os contestadores com fotos de crianças pobres sorrindo, ilustrações de coraçõezinhos fofos ou imagens de céus azuis ensolarados ou de bosques floridos.

Tudo parecendo lindo, mas é um desvio de foco.

De que adianta corações vermelhos e fofos como cerejas, se a podridão do "movimento espírita" exala seu forte fedor nos bastidores?

A crise do "espiritismo" brasileiro só tem a aumentar diante de tanta confusão.

Daí ser inútil apelar para a "fraternidade", "esquecer as desavenças" e "unirmos por Kardec e Cristo".

Isso é papo furado para aceitar o poderio dos deturpadores e a aceitação de seus abusos e contradições, que são tantas que os próprios deturpadores se contradizem entre si, também.

O jeito é aceitar que o Titanic "espírita" vá se chocar com o icebergue da realidade.

Não somos nós que falamos isso, são os "espíritas" que, com suas atitudes e posturas equivocadas ao longo do tempo, deixaram seu Titanic doutrinário se dirigir ao obstáculo fatal.

Agora são eles que terão que orar pela adversidade que lhes atingirá. Logo eles, que sempre adoraram que nós fiquemos suportando adversidades sem poder sequer gemer de dor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …