"Médiuns" julgam fazerem o trabalho peregrino de Jesus. Só que não

(Por Demétrio Correia)

Quanta hipocrisia entre os chamados "médiuns espíritas".

Eles fazem mediunidade fake, que destoa das personalidades dos alegados autores mortos.

Eles vivem do culto à personalidade, recusando o papel intermediário que lhes deveria caber.

Eles são igrejeiros, mas se dizem "discípulos rigorosamente fiéis" de Allan Kardec.

Ah, quanto os "médiuns" expressam hipocrisia. E eles se acham os mais próximos do ingresso ao Céu!

Eles ainda se arrogam em dizer que fazem o mesmo trabalho peregrino de Jesus de Nazaré.

Ou que fazem as mesmas viagens de estudo feitas pelo professor Allan Kardec.

Nem uma coisa, nem outra.

O que se observa é que, no seu tempo, Jesus de Nazaré não fazia turismo, andando de casa em casa para transmitir conhecimentos para as pessoas.

Pagou caro por isso com a crucifixão, porque as pregações de Jesus iam contra o poder das autoridades romanas e dos sacerdotes que "comandavam espiritualmente" o povo da Judeia.

Por sua vez, o digno professor Allan Kardec só viajava para pesquisas, pagando as despesas com seu suado salário, que não era lá grande coisa.

Já os "médiuns" e palestrantes "espíritas" fazem turismo.

Recebem patrocínio, viajam em bons aviões, se hospedam nos melhores hotéis.

Fazem palestras para os ricos, envoltos em mil solidariedades, e ganham medalhas e outros prêmios, além de posarem ao lado de personalidades VIP, para as colunas sociais.

Expõem um igrejismo vagabundo, e não raro um bom dinheiro da caridade é desviado para reforçar tão opulentas despesas.

O povo pobre, se não fica passando fome, é apenas precariamente mantido, dentro de um padrão medíocre de vida.

Já os "médiuns" viajam no exterior, conhecem as cidades do Primeiro Mundo, espalham a deturpação para grandes plateias, praticamente empastelando o trabalho de Allan Kardec e o legado de Jesus.

Um Divaldo Franco da vida acaba fazendo uma grande atrocidade ao pedagogo francês.

Viajando com o dinheiro da "caridade" e com as gorjetas dos ricos patrocinadores, ele avacalha com o trabalho de quem só fez pesquisas bancadas pelo próprio bolso.

Ou praticando uma paródia do que Jesus de Nazaré fez. E olha que Jesus não viajou gigantescas distâncias em transportes de primeira classe para receber prêmios dos ricos e poderosos. Pela missão que fez, ele foi condenado à morte.

E o referido "médium" ainda é visto, pasmem vocês, como "símbolo máximo de humildade"!!

Isso é, isso sim, uma imoralidade.

Enquanto isso, Pau da Lima, em Salvador, está à mercê da violência até sob a luz do dia, como informa a imprensa baiana.

E as pessoas ainda choram quando os "médiuns" deturpadores são alvos de críticas duras.

Essas críticas duras têm que ser feitas. O próprio espírito Erasto recomendou.

Certamente, este ficaria envergonhado e bastante preocupado com os "médiuns" que vivem fazendo turismo para espalhar a Deturpação.

Sem dúvida alguma, os "médiuns" brasileiros avacalharam com o trabalho peregrino de Jesus e com as viagens de pesquisa de Kardec. Não dá para comparar os espetáculos das "palestras espíritas" com os antigos trabalhos de Jesus e Kardec, estes sim da mais absoluta seriedade.

Comentários