Pular para o conteúdo principal

A consciência do erro e o orgulho em ser errado

(Por Demétrio Correia)

Há uma tendência das pessoas em admitirem seus erros na vida.

Mas existe uma grande diferença entre a autocrítica e o orgulho em cometer erros.

A pessoa que tem autocrítica apenas diz "eu errei e como fui prejudicado com isso" e afirma que "se voltasse atrás, não teria feito tal ação".

Ela sente consciência dos prejuízos que obteve com os erros.

Já aquela pessoa que tem orgulho em cometer erros age diferente.

"Quem nunca errou na vida", costuma bradar esta pessoa, mal disfarçando sua vaidade em cometer coisas equivocadas.

Esta pessoa orgulhosa se acha "gente como a gente", mas não é.

É apenas alguém querendo se promover com algum aspecto sombrio de sua personalidade.

É uma diferença enorme que poucos percebem.

Principalmente num Brasil movido pelas aparências e que se deixou levar pelos retrocessos sociais.

Além disso, a diferença da consciência do erro e do orgulho em ser errado é muito grande.

No primeiro caso, a pessoa sente o prejuízo que causou, a outrem ou a si mesmo, e deixa de errar por se arrepender da atitude que tomou antes.

No segundo caso, a pessoa não sente o prejuízo que causou e quer abafar as consequências dos atos, dizendo-se "consciente do erro" apenas para agradar os outros ou para evitar punições.

O sujeito que se arrepende do erro e conhece seus prejuízos procura rever sua situação e não erra mais porque sabe como isso lhe foi ruim.

O sujeito que se orgulha do seu erro, porque "todo mundo comete", é um arrivista que apenas quer evitar a decadência de sua pessoa e investe na falsa modéstia.

Daí ser muito perigoso acreditar em todo mundo que diz "somos falíveis".

O sujeito que diz "quem nunca erra?" ou "somos, sim, falíveis" é justamente aquele que tem medo de alguma reprovação séria e fatal contra si.

Ele tem medo de sofrer uma queda mortal ao despencar do alpinismo social em que se mete.

Ele tenta mostrar falsa modéstia, sobretudo em belas palavras ou em mensagens amigáveis.

Tenta conquistar a todos, como se pudesse, com isso, afastar de outrem a noção de que ele é o errado.

É um sujeito que tem medo de ficar sem a razão. Daí que se passa por "consciente" do seu erro, para evitar que outros lhe larguem em descrédito.

A falsa modéstia é a saída de emergência dos orgulhosos diante do risco de suas reputações caírem.

É, portanto, uma forma de proteger o orgulho sob a máscara da simplicidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.