Pular para o conteúdo principal

Raul Seixas reduziu-se a 'fake' pela "mentiunidade"

(Por Demétrio Correia)

Um dos textos mais lidos pelo Dossiê Espírita, principal página de questionamento da deturpação do Espiritismo, fala sobre Raul Seixas.

Intitulado "Raul Seixas nunca teria sido o espírito Zílio", o texto causa polêmicas entre aqueles que acreditam que o roqueiro baiano virou militante religioso no além-túmulo.

Um livro foi lançado com a pretensão de mostrar um suposto Raul Seixas para os "espíritas".

A obra, Um Roqueiro do Além, de Nelson Moraes, usava o nome Zílio, que ele dizia ser atribuído ao roqueiro que, em vida, nos deu músicas como "Gita", "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" e "Sociedade Alternativa".

Houve um outro livro atribuído a Zílio, Há Dez Mil Anos, que revela claramente a paródia do título, em relação a Há Dois Mil Anos, de Francisco Cândido Xavier, atribuído a Emmanuel.

Aliás, Zílio é outra estratégia que Nelson teria "inspirado" em Chico Xavier, que mudou o nome de Humberto de Campos para Irmão X.

Assim como o Irmão X continua sendo o suposto Humberto de Campos para o público "espírita", o Zílio continua sendo o suposto Raul Seixas.

Não é difícil ver que a atribuição a Raul Seixas é uma farsa.

Lendo os dois livros de Nelson Moraes, nota-se que o Raul Seixas que aparece ali é uma caricatura.

Um Raul Seixas ingênuo e apegado ao misticismo que marcou sua carreira nos anos 1970 e parecia mais radicalizado e catolicizado na "obra espiritual".

De tão ingênuo, Zílio parece até um bobalhão que só se preocupa em fazer trocadilhos: "O mundo só é uma droga, para quem se droga no mundo".

Um grande pastiche, diga-se de passagem.

Quem conhece Raul Seixas profundamente, sabe que isso é uma farsa, e isso pode ser comprovado com a própria biografia do roqueiro baiano.

Nos anos 1980, Raul abandonou o misticismo, passando a se tornar bastante cético e até cínico.

Em 1987 ele publicou sua primeira parceria com o conterrâneo Marcelo Nova, da banda Camisa de Vênus, "Muita Estrela, Pouca Constelação", com um humor bastante corrosivo.

Raul estava com saudade de suas raízes roqueiras, que lhe consolavam no seu pessimismo com os rumos do Brasil, no final de sua curta vida, abreviada em 1989, aos 44 anos de idade.

O "Raul Seixas" de Nelson Moraes mais parece construído pela imagem caricata e adocicada que periódicos como Amiga e Contigo produziram sobre o roqueiro baiano.

Essa imagem caricata e adocicada reforçava um religiosismo que Raul teria abandonado nos anos 80 e dificilmente recuperaria.

A obra Um Roqueiro do Além foi lançada em 1998, nove anos após o falecimento do roqueiro, e é impossível que Raul, pelos contextos diversos, tivesse voltado a ser um místico e ter virado até um igrejista abobalhado.

Raul não se prestaria a fazer um papel desses, que ele consideraria idiota.

Portanto, nesse mercado da "mentiunidade" (mediunidade falsa), Raul Seixas foi mais um fake a alimentar a venda de livros supostamente psicográficos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …