Pular para o conteúdo principal

O palestrante "espírita" quer TER o Céu

(Por Demétrio Correia)

No "espiritismo" que temos, o palestrante é alguém sempre preocupado com a posse da palavra final.

Julgando-se vinculado a Deus, ele tenta driblar os questionamentos para que somente o seu prevaleça, sob a desculpa de que "expressa a bondade e a paz".

Ele tenta trazer um discurso "equilibrado", falsamente lógico, religiosamente apelativo, convencendo os outros a aguentarem o sofrimento, as angústias, as desgraças.

Ele tenta montar um discurso que "valha para todos", mas ele sutilmente faz suas diferenças.

Aos ricos, o palestrante "espírita" é só "gratidão", se dizendo "surpreso" pela "grande disposição" dos endinheirados pela aparente filantropia.

Aos pobres, o palestrante "espírita" diz para elas abrirem mão dos desejos, pedindo para que eles "SEJAM" mais do que "QUEIRAM TER".

Que maravilhoso parece a retórica de um palestrante que diz para as pessoas se preocuparem menos com o TER e mais com o SER.

Para quem sofre muitas desgraças, é fácil dizer isso. 

O palestrante "espírita" não sofre.

Ele vive do conforto. Escreve livros que vendem consideravelmente, palestras que rendem uma grana, faz excursões só para expor seu baile de belas palavras, ganha prêmios diversos das elites.

É apenas um confeiteiro das palavras, confiante demais nos seus "bons sentimentos".

Por isso é fácil ele dizer, ao outro que sofre, que aguente o sofrimento.

Tem coragem até de dizer ao sofredor que suas angústias são desnecessárias.

Pede ao sofredor para amar as desgraças, sob a desculpa que assim as graças, não se sabe de que forma ou outro aspecto, virão.

Ele pede para o sofredor SER e não TER, ignorando que o sofredor sabe das limitações de seus desejos e necessidades.

O sofredor já abriu mão de muita coisa, e para o palestrante "espírita", pouco importa se o sofredor tenha que ceder tudo até nada sobrar.

Mas o palestrante "espírita" também quer TER mais do que SER.

Ele quer TER prestígio religioso, quer TER a palavra final, a réplica final das questões da vida.

Ele recusa-se a admitir o que É, um roustanguista, um católico extremado, e é capaz de bajular ao mesmo tempo figuras antagônicas como Emmanuel e Erasto.

Ele não quer SER roustanguista, porque acha o nome do igrejeiro Jean-Baptiste Roustaing "muito feio" e de lembrança "infeliz".

Quer ser o que NÃO É: um kardeciano rigoroso, ainda que esteja perdido em apelos "fraternais" que parecem bonitos, mas são muito preguiçosos.

E quer TER também o Céu, porque se ilude com a falsa humildade e o falso desapego.

Acha que abre mão das glórias terrenas, dos bens materiais, das ilusões orgiásticas, da fortuna, dos aplausos alheios.

Mas quanta ilusão não é a crença de que terá coisas similares no mundo espiritual.

Quanta ilusão seu prestígio religioso esconde por baixo do tapete.

Quantas fantasias de um paraíso celestial em que Jesus Cristo está sempre se preparando para receber um "espírita" no retorno ao além-túmulo.

Quanta ilusão está na expectativa de que no além-túmulo haverá cerimônias de condecorações, medalhas, discursos, corais de anjos cantando, e os parentes e amigos da escolha do falecido lhe esperando como familiares no desembarque do aeroporto.

Quanta ilusão o palestrante "espírita", amigo da deturpação, sonha diante da esperança de NÃO TER na Terra, porque TERÁ no mundo espiritual.

Ainda que sejam coisas que ele acredite diferentes das orgias mundanas.

São todavia, na essência, as mesmas orgias, sem o ato sexual, a farra das fortunas ou o narcótico das substâncias entorpecentes e alucinógenas.

Porém, é o mesmo orgasmo, desta vez, vindo nos olhos, das lágimas da comoção fácil por pouca coisa, das fortunas virtuais das "bênçãos", do narcótico da fé mistificadora.

Ah, quanta ilusão tem o palestrante "espírita". Que se apressa em ter a posse da palavra final, na esperança de que lhe entreguem as chaves para o Céu, em breve.

E toda essa fantasia só lhe será desfeita quando ele ver como será o além-túmulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.