Defesa do sofrimento pelos "espíritas" sugere defesa do governo Temer

(Por Demétrio Correia)

Notaram que os "espíritas" estão cada vez mais ligados na Teologia do Sofrimento?

Notaram que os apelos para aguentar sofrimentos e desgraças estão cada vez mais frequentes nas palestras e textos "espíritas"?

Os "espíritas" ainda apelam para os sofredores abrirem mão de desejos e necessidades, não apenas sendo pacientes com seus prejuízos, mas até felizes com isso.

Parece coincidência, mas o Brasil sofre profundos retrocessos sociais.

Vários deles de propósito: congelamento de investimentos públicos, reformas trabalhista e previdenciária que irão empobrecer e enfraquecer os trabalhadores etc.

Desmonte da economia brasileira, ainda mais com a Operação Lava Jato impedindo a realização de grandes obras de infraestrutura.

Há a desindustrialização e ainda um processo ainda mais feroz de desnacionalização.

É o chamado "pacote de maldades" do governo Michel Temer, aliado a um contexto em que a vida dos brasileiros irá encarar uma série de infortúnios.

Por isso, se vê o quanto os "espíritas" podem estar falando uma mensagem subliminar diante da "despretensiosa" iniciativa de pedir para os sofredores aguentarem seus próprios prejuízos.

É que os "espíritas" estão fazendo propaganda do governo Temer.

O "espiritismo" prega a terceirização da vida, sob a desculpa de que "quanto pior, melhor".

Os "espíritas" desprezam a oportunidade da pessoa intervir na vida material.

Não é o espírito que tem que intervir na matéria, mas a matéria que dirá o que o espírito tem que fazer com ela.

A vida "qualquer nota", em que a submissão e, quando muito, o jogo-de-cintura, são os únicos requisitos para a "evolução espiritual".

Uma vida precarizada, terceirizada, um desmonte das potencialidades humanas, demolidas a cada desgraça.

Um grande número de obstáculos a serem enfrentados, acima dos limites suportáveis.

O ser humano reduzido a um peixe que tem que saltar para o topo de uma árvore.

Os "espíritas" devem gostar muito do governo Temer.

Ele quer aposentadoria só quando a pessoa retornar para a "pátria espiritual".

Imagina-se até o palestrante "espírita" dizer: "Isso é ótimo, a pessoa beneficiada na verdadeira vida, onde as bênçãos lhe estão ao alcance".

O PMDB e o PSDB parecem partidos "espíritas", se percebermos que existem o PSC e o PRB, este ligado à Igreja Universal do Reino de Deus.

Isso porque o modus operandi de peemedebistas e tucanos lembra os "espíritas".

A visão restritiva de qualidade de vida, os valores ultraconservadores, a blindagem dada aos seus líderes.

A gente até pergunta se Aécio Neves não é neto de Chico Xavier.

Porque a blindagem que ambos recebem (Chico, postumamente) é em proporções estratosféricas.

Daí que vemos o quanto o "espiritismo" brasileiro adora um cenário político conservador.

Sinal de que sua fama de "religião progressista" não passa de lorota para boi dormir.

Comentários