Pular para o conteúdo principal

Como "jornalismo astral", a obra de Chico Xavier é um desastre

(Por Demétrio Correia)

De vez em quando, Francisco Cândido Xavier lançava livros de "reportagens" do "outro mundo".

Usurpando Humberto de Campos, ele o "reduziu" a um mero "repórter do além-túmulo", em alguns dos livros que levam o ilustre nome.

Mas até a mãe de Chico Xavier e o padre Emmanuel da Nóbrega também fizeram suas "reportagens".

Independente de serem esses livros ou de demais estilos, como romances, poemas, "ensaios científicos" etc, a obra de Chico Xavier já rompe com os propósitos normalmente usados pela imprensa.

Lembra o que a revista Veja faz hoje, que parece ser escrita por uma só pessoa.

Mas o normal seria que a imprensa, abrigando diversas correntes de pensamento, publicasse matérias que não refletissem necessariamente a opinião do dono de um veículo.

Pelo menos deveria ser assim no nosso jornalismo, atualmente naufragado pelo reacionarismo nervoso de grandes veículos.

Mas aí vemos o conjunto da obra de Chico Xavier e vemos que os "diferentes autores" refletem o pensamento pessoal do "médium".

Além disso, quando havia posições mais delicadas, Xavier escolhia Humberto de Campos / Irmão X para associação tendenciosa.

Como na acusação, em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, de que índios e negros eram vistos como "selvagens".

Ou na terrível acusação de que as humildes vítimas do incêndio em um circo em Niterói, no final de 1961, teriam sido "romanos sanguinários" em outra encarnação.

Aí as pessoas acham cruel dizer que Chico Xavier teria se "vingado" da ironia nas crônicas de Humberto de Campos e o rebaixou de tudo quanto é forma.

Rebaixou-o a um mero sacerdote ortodoxo, vendo que Humberto havia sido ateu em vida.

Rebaixou-o a um escritor medíocre, de textos pesados, vendo que Humberto era membro da Academia Brasileira de Letras.

Rebaixou-o a um mero repórter sensacionalista do além, vendo que Humberto havia sido notável intelectual.

E rebaixou-o a um capacho dos interesses pessoais de Chico Xavier, já que em vida Humberto reprovou a "concorrência" da "literatura do além" com a produção literária dos vivos.

Humberto de Campos é um exemplo de como os mortos usurpados servem apenas para expressar "impessoalmente" o pensamento pessoal de um "médium".

Neste caso, as opiniões publicadas têm sempre que refletir a opinião do "editor" que se torna um "médium psicográfico".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.