Pular para o conteúdo principal

Espiritismo deturpado: desonestidade fraterna?

(Por Demétrio Correia)

Ninguém para para refletir sobre o espiritismo deturpado feito no Brasil.

As pessoas aceitam, porque há desculpa para tudo.

Há desculpa para os "espíritas" serem catolicizados, pela suposta afinidade com a fé cristã.

Há desculpa para a perda de estilo das mensagens "mediúnicas", porque o morto doou seu estilo "para a caridade" e investe agora na "linguagem universal do amor".

Há desculpa para entender errado o pensamento de Allan Kardec, porque achá-lo racional demais.

E há desculpa para fugir do pensamento de Kardec, por achar que ele está "ultrapassado".

Deturpadores da Doutrina Espírita logo correm para se esconder sob um grupo de pessoas pobres que lhes servem de escudo.

Se apressam em forjar projetos "filantrópicos", que pouco ajudam.

Criam todo um aparato ideológico no qual as doutrinárias são sempre embaladas por fundos musicais relaxantes, toda postura de mansidão e bondade, clima de alegria etc etc.

Tudo parece muito lindo.

Mas tudo é feito para manter a deturpação, um pseudo-kardecismo a que se tornou o roustanguismo politicamente correto de hoje.

E os deturpadores sempre veem com discurso de "fraternidade".

"Vamos nos unir, sermos irmãos, promover a paz no Cristo, espalhar a fraternidade".

Claro, um apelo assim fica fácil. Mas nossa sociedade complexa não permite tais coisas.

O problema está sempre em que vamos "ser fraternos".

Vamos ser fraternos na pseudo-mediunidade das mensagens despersonalizadas que seguem o pensamento pessoal do "médium"?

Vamos ser fraternos no moralismo conservador e nos juízos de valor aos quais nossa individualidade é vista como "frescura"?

Vamos ser fraternos na condenação ao raciocínio crítico quando este põe em xeque os valores das paixões religiosas?

Vamos ser fraternos na usurpação dos nomes de mortos famosos, que serve para alimentar o prestígio, a fama e o sensacionalismo dos supostos médiuns?

Vamos ser fraternos em fantasias nunca cientificamente sequer testadas, como "colônias espirituais" e "crianças-índigo"?

Da mesma forma, vamos ser fraternos com bobagens como "resgates coletivos", em que pessoas de diferentes procedências sofrem um mesmo infortúnio ou tragédia como um "gado expiatório"?

Vamos ser fraternos na fraude, na mentira, na mistificação, e acreditar que "mentira de amor" não dói?

Daí o grande problema que os deturpadores da Doutrina Espírita criam. Que na verdade é uma porção de problemas que, aceitos socialmente, prevalecem.

A desonestidade fraterna só premia a desonestidade, que usa as pessoas pobres como escudo, através da desculpa da "caridade".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …