Pular para o conteúdo principal

A "fraternidade" que despreza a diversidade

(Por Demétrio Correia)

O discurso de "fraternidade" através da religião, inclusive a "espírita", é muito bonito, mas na prática não tem serventia.

Afinal, vamos ser "fraternos" em que direção? Fica mais parecendo o discurso do rebanho. Ou do gado.

Não é à toa que o velho catolicismo sempre comparava a fraternidade a um rebanho.

Na pecuária, não há uma diferença profunda entre rebanho e gado.

Fala-se em igualdade, mas não se fala no respeito às diferenças. Até porque a retórica "fraterna" sempre comemora quando pessoas sem a menor afinidade entre si se unem forçados pelas conveniências.

O pregador religioso até diz reconhecer diversidades e diferenças, mas apela sempre para a "fraternidade" como se preocupassem em igualar sempre as pessoas.

Ele quer juntar rebanho, e é por isso que o discurso de "fraternidade" é estranho.

É um discurso que despreza individualidades, diferenças, divergências.

Pouco importa para o pregador religioso se as pessoas se unem à força dos interesses e não pelas afinidades naturais.

Os "espíritas", então, se exaltam. Acham que o espetáculo da "fraternidade" se realizará no drama dos conflitos e das divergências irresolúveis.

Se ocorreu alguma violência, culpa-se a vítima, acusada de merecer um "reajuste espiritual" pela tragédia sofrida.

Só que esse discurso de "fraternidade" não resolve ódios nem animosidades.

Chega a ser um discurso chato, diga-se de passagem.

Dizer para "sermos todos irmãos" não vai estimular que sejamos realmente fraternos.

Isso mais parece um apelo igrejista, que nem de longe acalma ou consola, a não ser quem está tomado da mística religiosa, e mesmo assim entre seus pares.

O discurso pode até gerar efeitos contrários.

Apelando pela "igualdade", acentua-se a aversão nas divergências.

Apelando pela "união", estimula-se rompimentos tensos e obsessivos.

Forçando o "entendimento", só consegue agravar as desavenças.

Pedindo a "paz", não conseguem senão abrir caminho para guerras.

Pedindo para "todos sermos irmãos", transformamos as multidões em coletivos de pessoas estranhas e solitárias.

A mística religiosa nem sempre é agradável, e as seitas religiosas, conservadoras, são indiferentes às transformações do tempo e às novas demandas sociais.

Não raro as religiões param no tempo, e seus seguidores, apegados a elas, se tornam fanáticos, obscurantistas e, diante das mudanças que não aceitam, mais violentos.

Não é necessário uma força-tarefa de palavras bonitas para promover a paz e a fraternidade.

Teoria demais acaba desencorajando a prática e invertendo os efeitos que seriam esperados.

Melhor seria que a vida mostrasse as formas de resolver tensões, divergências, conflitos e carências.

Seria melhor que a injustiça social seja resolvida sem o filtro da religião.

A razão permite, mais que a fé, verificar os problemas mais delicados que atingem e afligem a sociedade.

Melhor que a vida, na sua prática cotidiana, promova a paz e a fraternidade sem que fosse preciso o espetáculo coreográfico das palavras piegas.

A verdadeira fraternidade se resolve combatendo as injustiças sociais e regulando as necessidades humanas, para que uns não queiram mais do que necessitem e muitos tenham que perder até o que mais precisam para sobreviver.

A verdadeira fraternidade tem aspectos que escapam à compreensão religiosa e que, por isso, revelam a complexidade da vida humana e sua complicada coletividade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.