Não se espera coerência num sistema de confusões

(Por Demétrio Correia)

O "espiritismo" se difere, no aspecto negativo, das diferentes religiões existentes no Brasil.

Difere pela desonestidade doutrinária e pelas contradições e confusões que criou.

A partir de Francisco Cândido Xavier, tudo isso veio à tona.

Não podemos ver no "espiritismo" uma doutrina segura de ideias consistentes.

A "água com açúcar" doutrinária das últimas décadas até serve para tranquilizar e consolar seus seguidores, de forma bem relativa.

Mas não espere isso uma verdadeira doutrina de esclarecimento e coerência.

Nem se os "centros espíritas" vierem com videoclipes cheios de crianças pobres sorrindo, paisagens floridas, céus azuis e até o fundo do mar com lindos peixinhos.

Uma coisa é o agrado, outra é a coerência.

Vejamos a seguinte situação.

Existe uma casa bagunçada, com vazamento nos canos, fiação elétrica solta, baratas e ratos circulando livremente.

Se no entanto as paredes da casa são bonitas, você vai dizer que a casa está organizada?

Da mesma forma, é uma doutrina religiosa cheia de confusões.

Comete desonestidade doutrinária quando abraça as ideias do igrejeiro Jean-Baptiste Roustaing, mas jura de pés juntos que é "rigorosamente fiel" a Allan Kardec.

Cria uma mediunidade de faz-de-conta na qual os mortos nem precisam se comunicar, o "médium" fala e pensa por eles.

Vale até "psicografia" atribuída a Fidel Castro defendendo o governo Michel Temer e tudo é aceito porque a mensagem pede "a união fraterna em Jesus Cristo".

Isso é coerência?

Só porque as palestras são cheias de cerimônias e formalidades e os palestrantes falam de maneira educada e serena?

Não. Isso em si não traz coerência.

Muitas ideias absurdas foram veiculadas no "espiritismo" sob o pretexto da "caridade".

Allan Kardec foi quem mais avisou sobre isso. E dá pena os deturpadores brasileiros bajularem tanto o pedagogo francês.

Há muita traição aos postulados de Kardec e isso não é coisa só de "peixe pequeno".

São justamente os "peixes grandes", a partir dos próprios Chico Xavier e Divaldo Franco, que cometem as piores e mais preocupantes traições.

Coerência não é dizer "somos irmãos", "desejemos a paz", "vamos trabalhar a esperança".

Isso apenas é um repertório de mensagens agradáveis, espécie de água com açúcar em forma de palavras.

A realidade é muito complexa para nos preocuparmos com esse apelo, se os fatores que condicionam as tensões e os conflitos humanos continuam sem solução.

Muito fácil "eu" ceder das minhas necessidades, mas o palestrante "espírita", que esquece de ser o seu "eu", ignora isso.

Ele pede para outros aceitarem o sofrimento, mas ele mesmo não aceita o sofrimento quando se dirige a ele.

Ele sempre fala como se o "eu" de nós, pobres mortais, tivesse que abrir mão até do prazer e se alegrar por nada, ou talvez pelo pior.

Mas o "eu" do palestrante "espírita" se dissimula no "impessoal", pois ele está cobiçando os tesouros que supõe existirem no Céu.

O "espiritismo" defende o sofrimento oferecendo prêmios que supõe existirem no mundo espiritual.

Isso não é coerência. É ilusão.

A doutrina igrejeira é marcada por tanta confusão que é impossível que o "espiritismo" brasileiro seja reduto de bom senso e coerência.

Onde há confusão, a coerência não encontra morada.

Comentários