Pular para o conteúdo principal

As pessoas são manipuladas sem perceber

(Por Demétrio Correia)

A pessoa não percebe, mas ela pensa a realidade sob os olhos de executivos de televisão.

Mais especificamente, três: os irmãos Marinho, João Roberto, José Roberto e Roberto Irineu.

São os donos das Organizações Globo. Que controlam a Rede Globo, o jornal O Globo, o canal pago Globo News, a revista Época.

E os periódicos "populares" Extra e Expresso.

Muita gente fica se passando por intelectual nas redes sociais e caprichando em argumentar logicamente o que não pode ser argumentado.

Escrevem com um discurso cabeça, com alegações "pragmáticas" sob a validade de alguns malefícios, com um malabarismo discursivo ímpar.

Escrevem com um aparato intelectual que não os impedirá de, com o passar do tempo, ver as verdadeiras bobagens que escreveram.

No caso do "espiritismo" brasileiro, as pessoas pegam uma abordagem e um padrão de compreensões trazido pela mídia, sem saber.

O "espiritismo" sempre se valeu da blindagem midiática, primeiro pela TV Tupi, depois pela Rede Globo.

A Rede Globo reinventou o mito de Francisco Cândido Xavier.

Redesenhou Chico Xavier como um "filantropo" com base no que Malcolm Muggeridge fez com Madre Teresa de Calcutá.

Criou até um roteiro de novela: o "filantropo" chegando a uma "casa de caridade", saudando pessoas, cumprimentando miseráveis e doentes, fazendo palestras dizendo frases de efeito.

Tudo jogo de cena.

As pessoas não percebem, no Brasil, que pensam a realidade com os olhos da Rede Globo.

Falam gírias que personalidades como Luciano Huck e Fausto Silva despejam toda hora, e pensam que estão sendo coloquiais por conta própria.

Seus "inimigos" e "heróis" são aqueles trazidos pela máquina manipuladora da Globo.

Seus "projetos de vida" e suas "necessidades" são prioridades trazidas pelo Jornal Nacional, pelo Caldeirão do Huck, pela novela das nove.

As pessoas acreditam nessa "realidade" trazida pela Rede Globo e acha que seus pontos de vista estão "acima" das ideologias e de qualquer abordagem midiática.

Falam o idioma da Globo e, até pelo trocadilho do nome da corporação, acham que falam a "língua do mundo".

Até no "espiritismo", quando se vê a aberração monstruosa do "médiuns" dotados de culto à personalidade, as pessoas seguem a abordagem da Globo.

A imagem de pretensos filantropos, que submetem a ideia da "bondade" à estrutura forçada de uma religião e à promoção pessoal dos médiuns-estrelas, isso é abordagem da Globo.

Uma abordagem que tem muito da emotividade fabricada das novelas globais.

Fabricam-se lágrimas nos relatos de Chico Xavier e Divaldo Franco como se fabricam lágrimas na novela das nove, no Caldeirão do Huck, na partida do Campeonato Brasileiro de Futebol.

As pessoas "masturbam" com os olhos e acham que estão sentindo as "energias mais elevadas" com as comoções baratas diante de horrorosos relatos de "superação".

Horrorosos, porque sempre é o mesmo entretenimento de se divertir às custas do sofrimento alheio, de pessoas que perdem tudo e sobrevivem com "fé" e "bençãos".

É o mesmo papo de quem tomava alucinógeno e afirmava que estava "abrindo a mente".

E tudo isso pega o modus operandi das novelas globais, daí os livros "espíritas", sobretudo os tais "romances mediúnicos", arremedos das mesmas novelas que o pessoal digere vendo TV.

O fato do "espiritismo" aparecer na Band ou Divaldo Franco mendigar espaço em canal comunitário não isenta a doutrina igrejista de seguir a lógica da Globo.

Isso porque o método de abordagem religiosa é desenvolvido no Brasil pela Rede Globo.

Uma ideia de "bondade" restrita ao personalismo dos ídolos religiosos e ao institucionalismo de suas seitas é um exemplo.

Uma "bondade" que todos "podem ter", uma falácia que equivale à tese de que todos "também podem" abrir franquias de grandes empresas.

As pessoas deveriam parar para pensar e ver o que realmente querem na vida.

Senão, periga do Brasil, no primeiro blecaute, ver as pessoas entrarem em coma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.