Pular para o conteúdo principal

Você pode ser conservador e não sabe

(Por Demétrio Correia)

O Brasil tem um grande cacoete.

Tenta negociar o novo que é inovador para que ele não afete o velho que está obsoleto.

Preservamos coisas antiquadas, decadentes, porque elas são "tradicionais".

Apenas absorvemos parcialmente as novidades, para que o "novo" se reduza a uma maquiagem do "velho".

As pessoas ultimamente não estão gostando dos questionamentos à deturpação do Espiritismo que se multiplicam na Internet.

Acham que os questionamentos "vão longe demais", que cometem "radicalismo" e coisa e tal.

Quando a crítica à deturpação chega aos deturpadores, ninguém gosta.

Acha que não se pode questionar os deturpadores porque eles são "bondosos".

Quer dizer, denuncia-se um erro e inocenta quem o cometeu. Então, quem é o culpado da deturpação da Doutrina Espírita? O Saci-Pererê?

Jean-Baptiste Roustaing é adaptado explicitamente pelos "espíritas" brasileiros e estes não podem ser responsabilizados?

Tomados de paixões religiosas, mesmo os críticos da deturpação espírita apresentam limites.

Paciência, o Brasil está cheio de gente pretensamente moderna que parece associada à transgressão mas tem alguma raiz obscurantista latente.

Temos roqueiros que, símbolo de rebeldia e insubmissão, defendem a volta da ditadura militar.

Temos artistas plásticos e poetas modernistas que no fundo sempre defenderam valores medievais.

Temos, nas redes sociais, jovens com pinta de surfista, universitário, hippie e skatista, que foram os que mais defenderam o golpe político ocorrido no ano passado e que pôs Temer no poder.

Temos mulheres que se dizem feministas mas apelam para um sensualismo grotesco e abertamente machista.

Temos ateus e agnósticos que não esquecem suas raízes católicas, por sinal das mais enferrujadas.

Daí que os críticos da deturpação do Espiritismo estão ainda muito longe de Allan Kardec e do contexto intelectual em que ele viveu.

Muitos desses críticos guardam em si uma formação católica conservadora, trazida por seus familiares.

Noções igrejeiras e medievais de "bondade", mais próximas do moralismo e seus preconceitos do que da verdadeira vontade de ajudar o próximo.

Daí que muitos dos críticos da deturpação espírita são vulneráveis às paixões religiosas que os fazem inocentar os deturpadores.

Se eles se incomodam em ver Francisco Cândido Xavier e Divaldo Franco serem duramente contestados, é porque há resíduos do velho Catolicismo jesuíta em seus inconscientes.

Por isso a crítica à deturpação fica pela metade, como uma planta frágil que morre diante da primeira luz do sol.

As pessoas no Brasil deveriam pelo menos assumir que são conservadoras, retrógradas, ultrapassadas.

E não ficar pensando que seu conservadorismo é progressista ou atemporal ou "acima da esquerda e da direita".

Há valores obsoletos e decadentes que pessoas "modernas" zelam com estranha persistência.

Reacionários surgem diante de "embalagens modernas" de muitos jovens "arrojados" ou de pessoas supostamente "de vanguarda".

Quantos personagens da nossa cultura, associados a tanto vanguardismo, sucumbiram a um reacionarismo tão rasteio!

Daí ser compreensível que muitos críticos da deturpação espírita parecem querer poupar Chico Xavier e Divaldo Franco.

É porque no fundo esses críticos são pessoas muito conservadoras, marcados ainda por uma formação católica apostólica romana, presos às tentações confortáveis das paixões religiosas que estabelecem seus mitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.