Pular para o conteúdo principal

O brasileiro refém da deturpação do Espiritismo

(Por Demétrio Correia)

O Espiritismo, infelizmente, foi seriamente danificado.

Virou, no Brasil, um vale-tudo igrejeiro no qual os deturpadores é que tomam as rédeas.

A influência da mídia, do mercado editorial, da suposta filantropia, da falsa mediunidade, cria as bases de tanta e tanta distorção.

É um trabalho feito em quantidades industriais.

A usurpação de espíritos mortos chega ao ponto de se apropriarem de nomes diversos, como Auta de Souza, Oswaldo Cruz, Carlos Chagas.

Fotos de Allan Kardec se misturam às de Francisco Cândido Xavier, Divaldo Franco, Emmanuel, Bezerra de Menezes.

Fotos de Irma de Castro Rocha, a Meimei, e Joana Angélica são usadas para ilustrar as deturpações e usurpações de suas reputações femininas.

Meimei "escreve" pensando e dizendo igual Chico Xavier, enquanto se vê o obsessor de Divaldo Franco, o Máscara de Ferro, em sua aventura "trans", como a tirânica Joana de Angelis.

Tudo isso é aceito sem críticas e a deturpação sofrida pela Doutrina Espírita foi longe demais.

Tão longe que os deturpadores ainda têm esperança de serem aproveitados numa futura recuperação das bases espíritas originais.

É aquele papo da raposa que disse assumir seus erros e prometer limpar e reconstruir o galinheiro.

A preocupação nossa é com o vai-e-volta das crises do "movimento espírita" e suas contradições, sempre mascaradas pelo espetáculo das palavras bonitinhas.

Criticar a deturpação não pode representar mais um abismo, mais uma retratação diante da tentação fácil das belas palavras e belas imagens.

O próprio espírito Erasto recomendou muita firmeza quando se questiona a deturpação espírita.

Porque ele mesmo avisou que os deturpadores virão com palavras bonitas, falando de "amor" e "caridade", pedir "fraternidade" e tudo o mais, para aí inserir ideias mistificadoras, sem pé nem cabeça e contrárias ao bom senso.

Enquanto Erasto pedia para as pessoas rejeitarem uma única mentira, os brasileiros aceitaram a maior de todas as mentiras, através da figura de Chico Xavier e companhia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …