Pular para o conteúdo principal

Divaldo Franco é mais blindado que Chico Xavier?

(Por Demétrio Correia)

Uma questão ronda os debates sobre a crise que atinge o "espiritismo" no Brasil.

Qual dos dois anti-médiuns recebe mais blindagem da sociedade, Francisco Cândido Xavier ou Divaldo Pereira Franco?

Nota-se que, em que pese o mesmo igrejismo, há diferenças em torno de Chico Xavier e Divaldo Franco, não fosse só pelo fato de que este ainda está vivo.

Chico Xavier tem trajetória mais antiga e esteve envolto em escândalos de arrancar os cabelos.

O mineiro era pouco sutil e seu igrejismo era muito mais do que escancarado, ele não tinha a habilidade de se passar por pretenso cientista, apesar de alguns livros "científicos" publicados.

Já Divaldo Franco oferece aspectos bem mais sutis.

É verborrágico e adota um ar professoral que faz muitos acreditarem que "ele, sim, é kardeciano de verdade".

Cria uma oratória mais envolvente que dá um verniz intelectual até a muitas das mistificações que transmite.

Divaldo é capaz de, sozinho, se passar por "intelectual", "cientista" e "grande literato", enquanto Chico Xavier só forjava tais qualidades através da atribuição a terceiros, no caso, as almas do além.

Melhor explicando: enquanto Chico Xavier precisava de "André Luiz" para ser "intelectual" e "cientista" e da usurpação dos nomes de escritores mortos para se atribuir como "médium literato", Divaldo Franco podia se passar por tais coisas sem precisar dos mortos.

Basta a verborragia espetacular de suas palestras e o pedantismo nas participações em programas de rádio e TV ou entrevistas diversas, sempre se pretendendo possuir respostas prontas para tudo.

Talvez, diante das confusões causadas por Chico Xavier, é a vez de Divaldo Franco ser o mais blindado, principalmente nas redes sociais, como o portal de vídeos do YouTube.

A verdade é que Chico Xavier ainda vem do tempo de um roustanguismo mais declarado.

E sua trajetória foi marcada de muitas confusões, tanto que foi preciso exportar um método publicitário do jornalista inglês Malcolm Muggeridge para criar uma "imagem limpa" de pretenso filantropo que Chico Xavier ganhou para a posteridade, com ajuda da Rede Globo.

Divaldo Franco, não. Ele é um produto mais recente, moldado aos padrões da "fase dúbia", bem mais dissimulada e supostamente mais "equilibrada".

Ele já é um paradigma de um "espírita" pretensamente "fiel a Kardec", que pratica seu igrejismo até com muito entusiasmo, mas sob um aparato que dá a falsa impressão de recuperar as bases espíritas originais.

Além disso, Divaldo é o "coringa" do baralho espiritólico, quando não houver meios para salvar a reputação de Chico Xavier.

Divaldo parece ter um "mentor" (ou melhor, obsessor e espírito declaradamente autoritário, portanto, inferior) mais engenhoso do que Chico Xavier.

Xavier contava com a influência do padre Manuel da Nóbrega, o Emmanuel, que não se desfez de seus cruéis preconceitos sociais dos tempos de jesuíta.

Franco contou com a presença da suposta Joana Angélica, que assim não teria sido, do contrário da equivalência Emmanuel/Manuel da Nóbrega de Chico Xavier.

Joana de Angelis não teria sido Joana Angélica nem qualquer outra Joana, mas o Máscara de Ferro, antigo obsessor de Divaldo, transmutado em um "nome ilustre".

Evidentemente, tanto Chico quanto Divaldo personificam os deslizes do Espiritismo alertados em O Livro dos Médiuns.

O referido livro, um dos mais importantes da obra do professor Kardec, desmonta os dois "médiuns".

Mas, diferente do que ocorreu com Chico, Divaldo tenta sobreviver a uma parcela de críticas.

Talvez ele seja mais blindado, conforme se vê nos canais do YouTube, e pelo próprio verniz de "intelectualidade" que Divaldo cumpre com habilidade teatral.

O que, no entanto, não o livra da imagem de um grande e perigoso deturpador do Espiritismo.

Até porque as piores armadilhas são sempre as mais sutis.

Neste sentido, Divaldo Franco é pior do que Chico Xavier, por pior que este tenha sido com os prejuízos causados à Doutrina Espírita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …