Pular para o conteúdo principal

Como o "espírita" pode reagir à desilusão de seus dogmas?

(Por Demétrio Correia)

É muito mais fácil dizer a uma criança que Papai Noel é uma ficção do que afirmar a um "espírita" que o "médium" Francisco Cândido Xavier nem de longe chega a ser um "espírito de luz".

A criança, quando informada da verdade a respeito de alguma ilusão, chora, pula, grita, se aborrece, se irrita, mas com o tempo se conforma e até vê o lado bom da amarga lição.

O "espírita", não.

Fica chorando, pois o que o "espírita" mais sabe é chorar, e aos soluços.

Fica traumatizado, chocado, dizendo: "Não, não pode ser... Chico não é de luz... Snif!".

Imagine então se disséssemos que Chico Xavier era deturpador do Espiritismo, distorcendo as lições de Kardec ao sabor dos devaneios igrejistas do mineiro, e ainda por cima às custas de pretensas psicografias, que se revelam fraudulentas.

A pessoa vai chorar mais do que quando perde uma família inteira num acidente com um coletivo.

Mas ela não vai ceder.

Em certos casos, irá escrever um livro inventando coisas maravilhosas sobre Chico Xavier e lançar na Internet como um eBook.

Inventa um pseudônimo "espiritual", tipo Antonius, Micaelis, Astolphus ou Marcus Aurélius, e diz que foi uma alma do além-túmulo que fez "revelações sublimes" sobre o "médium".

Tudo ficção. Mas os adultos aceitam como se fosse a realidade objetiva.

Há quem invista em asneiras do tipo: "Livro que alimenta a mente com o Conhecimento expresso em sublimes palavras".

O mercado editorial aceita, porque sempre tem otário querendo comprar uma empulhação destas.

Mas isso é fichinha, se ver como os adultos lidam com as desilusões.

As crianças, tão imaturas, não iriam mover tanques nem armar revólveres contra aqueles que lhes privaram da sobrevida de tantas ilusões.

Como a sociedade adulta não consegue lidar com as desilusões. Nem mesmo os "espíritas".

O Brasil é o paraíso astral da pós-verdade, inventam-se coisas sem nexo nem lógica, mas que viram não apenas "verdades indiscutíveis" como se esforçam para manter uma reputação de quase unanimidade.

O "espírita", que se autoproclama "racional" e "esclarecido", é o mais vulnerável em ilusões e fantasias tão igrejeiras.

O "espírita" não passa de um católico enrustido, um beato envergonhado, que se esconde numa capa de "racionalidade" e "objetividade".

E usa e abusa nas pós-verdades que transformam os aberrantes "médiuns" brasileiros em "deuses".

Quando revelamos que os "médiuns" exercem culto à personalidade, os "espíritas" choram, choram e choram mais ainda.

Ah, quanto os "espíritas" precisam aprender com a vida.

Com pessoas que mergulham na ilusão e que se desiludem, até com certa raiva ou tristeza, mas depois se convencem que foram libertos do afogamento e do naufrágio da fantasia.

Até lá, muitos serão os "espíritas" que cairão da cama depois de sonharem alto demais com seus "médiuns".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …