Pular para o conteúdo principal

O ambiente sombrio que cerca uma "casa espírita" em Niterói

(Por Demétrio Correia)

Notem a foto ao lado, retirada do Google Street View.

No fundo, à esquerda, há o muro do Instituto Dr. March, uma das antigas "casas espíritas" existentes em Niterói.

Dr. March é considerado pelos "espíritas" o "governador espiritual" do Estado do Rio de Janeiro.

Ou seja, uma espécie de Luiz Fernando Pezão do além-túmulo.

O instituto que leva o nome do roustanguista (figuras como March, Dias da Cruz - nome de rua no Méier, no Rio de Janeiro - , Assis Carneiro e o famoso Adolfo Bezerra de Menezes eram adeptos de Jean-Baptiste Roustaing) é cercado de um ambiente puramente sombrio.

O próprio instituto tem uma arquitetura que lembra uma casa mal assombrada.

Em seu entorno, árvores "desencarnadas" por causa de ervas daninhas que parecem bonitas, caindo como longos fios cacheados.

Mas é só ver a vizinhança que se observa o ambiente terrível na rua Desembargador Lima Castro, junto ou nas proximidades do Instituto Dr. March.

Uma casa de construção modernista perece em ruínas, com um monte lixo acumulado no local.

Houve até uma tentativa de recuperar o local, mas houve desistência e a residência já começa a ser escondida com tanto lixo e entulho em volta.

Entre o Instituto Dr. March, se situam casas em ruínas e um monte de mato, desses que servem de cenário para estupro ou de locais para desova de corpos de assassinados.

Um cenário de decadência, junto a um lugar que se pressupõe portador de "luminosas energias".

Coincidência? Claro que não.

O "espiritismo" igrejeiro e medieval, que tem na Teologia do Sofrimento sua maior bandeira, tinha que atrair energias bastante sombrias.

E isso se mostra num ambiente que, além disso, é palco de constantes assaltos.

Casas em ruínas e matagais cercam a "casa espírita". Em horários de menor movimento de dia e durante toda a noite, torna-se um lugar ermo e dos mais perigosos.

Aos caminhantes que estão no Fonseca e querem ir para o Cubango, é mais lucro andar até a rua Vinte e Dois de Novembro e daí pegar a rua Noronha Torrezão.

O ambiente sombrio ao redor do Instituto Dr. March explica muito a que se reduziu o "espiritismo" brasileiro, depois de tanta deturpação. Entulho, ruínas, trevas e plantas parasitas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …