Espíritos inferiores não ficam zoando o tempo todo

(Por Demétrio Correia)

Espíritos inferiores não ficam zoando o tempo todo.

Eles não falam como monstros de voz esganiçada ou soturna, e podem mesmo imitar o estilo vocal dos anjos.

Os espíritos inferiores podem até mesmo parecer bondosos e, se forem mais espertos, adotar um aparato de bondade plena que intimida qualquer questionamento.

No "espiritismo", nos esquecemos que a religião igrejista brasileira se deixou levar pela inferioridade espiritual, com uma desonestidade que surgiu a partir da apreciação do igrejista J. B. Roustaing.

Nos esquecemos que as fotos antigas de Francisco Cândido Xavier, o tão "bondoso" Chico Xavier, revelavam um semblante macabro e extremamente assustador.

Deturpador maior do Espiritismo, o "médium" Chico Xavier nem de longe é o "espírito iluminado" que os brasileiros, persuadidos pela Rede Globo, se acostumaram a acreditar.

Um ditado popular já nos diz muito a respeito da capacidade de espíritos inferiores se passarem por bondosos e afetuosos.

Ele diz: "De boas intenções, o inferno está cheio".

Na Máfia italiana, há cerimônias em que os próprios mafiosos se acolhem com muita afetividade, com beijos e abraços entre eles e discursos sobre "fraternidade" da famiglia.

No narcotráfico carioca, chefões aparecem em festas abraçando as pessoas e beijando bebês que seguram no colo.

Isso mostra o quanto os espíritos inferiores podem até mesmo fazer poemas dóceis, apelar para o "amor" etc.

Eles são os que mais apelam para mensagens supostamente amorosas, exagerando na dose de vibrações emotivas, comoções, carícias, palavras de amor etc.

No desenho do Papa-Léguas (Roadrunner) da Warner Bros, os rivais se deixam de combater na hora do almoço, se confraternizando durante as refeições.

O aparato de bondade é justamente o pior truque dos espíritos inferiores que se dotam da mais habilidosa esperteza.

Infelizmente, os brasileiros se deixam cair para tudo que parece exageradamente amoroso.

Acabam se envenenando com o açúcar das frutas das mancenilheiras da fé religiosa.

Comentários