Pular para o conteúdo principal

Parábola do homem escorraçado

(Por Demétrio Correia)

Imagine um anfitrião que convida uma pessoa para passar um fim de semana em sua casa.

Em aviso hospitaleiro, chama-se o referido cidadão para generosa oferta, prometendo uma estadia saudável e animada.

Chegando o cidadão, ele é cumprimentado pelo anfitrião e se instala na casa, pondo seus pertences no quarto e trocando a roupa para usar um traje mais à vontade.

No entanto, ele passa a receber maus tratos.

A cama é quebrada, o colchão, desconfortável. O quarto, mofado e com baratas. O armário, com uma colônia de cupins capaz de devorar até um saco de plástico.

O cidadão é hostilizado pelos familiares do hospedeiro, que o humilham sem dó.

No quintal, um cão rottweiler bem feroz está à solta, e, às vezes, ele chega mesmo a entrar no recinto da casa, ameaçando os presentes.

A comida é péssima, de sabor horrível e feita sem higiene.

No banheiro, não dá para fazer as necessidades biológicas porque o vaso sanitário entope. A torneira abre com facilidade, mas é difícil de fechar.

A televisão exibe a pior programação e não dá para pedir para mudar o canal. Os encrenqueiros da casa, que hostilizaram o hóspede, estão com o controle remoto e reagem com escárnio à solicitação.

Numa conversa supostamente amigável, há uma discussão violenta porque o hóspede quis esclarecer um ponto de vista equivocado de um dos presentes.

A discussão chega ao ponto da agressão física, mas o hospedeiro chega e consegue controlar o conflito.

Dormir é difícil diante da barulheira musical no bar próximo, em que toca aquele jukebox que serve de renda para um grupo de milicianos que domina o bairro.

Uma mulher pouco atrativa, sem higiene, ignorante e de poucas roupas, forçadamente sensual, assedia de maneira grosseira o hóspede, que recusa o assédio, causando revolta nela e nos encrenqueiros.

Com tudo isso, o hóspede sai de casa magoado e assustado, e ainda tem que correr porque o rottweiler foi solto e começa a correr atrás dele como se corresse furioso atrás de um cãozinho indefeso.

Por sorte, o hóspede não foi alcançado pelo feroz cachorro, porque correu a toda velocidade, mesmo carregando o peso da bagagem, e o rottweiler se cansou e deu a volta.

Com essa parábola, imagine se fosse um homem que fez um tratamento espiritual num "centro espírita" e atraísse para si todo tipo de azar.

O "hospedeiro" que acolheu o pobre coitado, que permitiu que este fosse escorraçado pelos infortúnios do azar, não seria responsabilizado por infelizes ocorrências?

Ou a culpa seria do hóspede que, na sua boa-fé, decidiu aderir a um ambiente hostil e cheio de problemas graves?

É muito fácil usar o prestígio religioso para tentar se eximir de culpa, quando o sofredor aguenta desgraças acumuladas contra sua vontade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …