Pular para o conteúdo principal

Por que Humberto de Campos NUNCA teve contato com Chico Xavier?

(Por Demétrio Correia)

Humberto de Campos NÃO está associado, em nenhum momento, a Francisco Cândido Xavier.

Não adianta insistir.

Comprovadamente, Humberto de Campos nem de longe estabeleceu algum vínculo ou parceria com Chico Xavier.

Declaração de católicos revoltados? De acadêmicos tomados de "paixões obsessivas"?

Não. A constatação é feita sem ódio e com o mais puro espírito de isenção.

Quando dissemos que Humberto de Campos nunca esteve por trás das supostas psicografias que levam seu nome, isso é fruto de paciente análise e avaliação completamente imparcial.

Confrontamos os livros que Humberto de Campos produziu em vida, mesmo os de publicação póstuma, com os da suposta psicografia que levam seu nome.

Lemos os textos das duas bibliografias, com o máximo de atenção, sem o comodismo emocional daqueles que leem só por um ligeiro entretenimento.

Constatamos, mediante análise bastante cautelosa e paciente, que os estilos das duas bibliografias são completamente diferentes.

As "semelhanças" existentes são aquelas semelhanças típicas de pastiches, paródias ou plágios, que não atestam veracidade em si.

Não são as semelhanças que garantem a veracidade, mas a inexistência de alguma diferença que indique contradição ou outro tipo de deslize.

E as diferenças entre a obra de Humberto de Campos e a do suposto espírito são gritantes.

Não há desculpa que possa comprovar que o autor maranhense resolveu escrever num estilo totalmente diferente.

A tese é, logicamente, improcedente.

Avaliações mostram as diferenças graves da obra de Humberto com a do "espírito Humberto".

No primeiro caso, vemos uma narrativa ágil, culta mas bastante acessível, descontraída, como se o autor estivesse conversando com o leitor.

O Humberto de Campos que esteve entre nós era, segundo estudiosos em Literatura Brasileira, um parnasiano quase modernista.

Tinha um texto muito bem escrito, com uma linguagem impecável, com temáticas diversas. 

Mesmo quando a religião era abordada, não havia apelos igrejeiros. Como num conto sobre o menino Jesus, em O Monstro e Outros Contos, que mostrava a tristeza de Jesus em ser proibido de brincar com os amigos porque era "menino Deus".

E o "espírito Humberto de Campos"?

Um estilo totalmente diferente. A narrativa era muito pesada, não raro com parágrafos longos demais. Linguagem pretensamente culta, mas rebuscada e prolixa. O texto era deprimente de tão melancólico.

A prosa do "espírito Humberto" lembrava mais a de um pároco de igreja do que a de um membro da Academia Brasileira de Letras. E o texto, embora pretensamente erudito, tinha sérios vícios de linguagem.

O advogado dos herdeiros de Humberto, Milton Barbosa, identificou até cacófatos, como "que cada" ("quicada") e "chama Maria" ("mamária"), que o autor nunca escreveria.

A obra fala por si só.

Quando uma obra, com toda semelhança que possa apresentar, apresenta algum aspecto contraditório, a autoria alegada não pode ser considerada verídica.

A obra do "espírito Humberto de Campos" apresenta muitas contradições e diferenças sérias em relação ao legado do autor maranhense.

Concluímos então que Humberto nem chegou perto de Chico Xavier e não escreveu uma vírgula que se atribui ao nome do autor nem ao paródico pseudônimo Irmão X.

O agravante é que as semelhanças de estilo são poucas, mas muitas são as diferenças que contradizem qualquer hipótese de veracidade.

Não são as "mensagens positivas" que garantem a veracidade de uma obra.

Lembremos sempre do ditado popular: "De boas intenções...".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Divaldo Franco e o apoio à "farinata" de João Dória Jr.

Terrível gafe que Divaldo Franco, tido como "sábio" e "bem informado", cometeu quando foi apoiar João Dória Jr. e seu "Allimento" idealizado pela Plataforma Sinergia, deixando o prefake divulgar seu produto no encontro Você e a Paz na sua edição paulista.

O escândalo só não é maior porque a mídia reagiu em silêncio, apesar da camiseta ostentada pelo prefeito de São Paulo.