Pular para o conteúdo principal

Reencarnação existe, mas cada encarnação é única

(Por Demétrio Correia)

Reencarnação existe? Sim, existe.

Argumentos lógicos conseguem sustentar essa hipótese, embora ela seja um grande mistério.

Não temos condição para supor, com segurança absoluta, quem realmente fomos em outras vidas.

Não é melhor arriscar. Dar palpites sobre vidas passadas é dom de muito poucos.

O grande problema que se sabe é que, mesmo havendo reencarnação, cada encarnação é única.

E aí há o erro cometido pelo "espiritismo" no Brasil.

Ele defende a tese de que não tem importância a pessoa perder uma encarnação com desgraças e infortúnios, porque a "verdadeira vida" está no outro lado e, em tese, se recomeçará tudo ao renascer.

Grande engano.

Se você tinha um projeto de vida e foi impedido de fazê-lo ou completá-lo numa encarnação, o trabalho está praticamente perdido.

Reencarnando, você terá que recomeçar tudo do zero, e nunca da mesma forma.

As relações sociais que encontrará serão bem diferentes, os recursos a serem utilizados e os contextos sociais onde o projeto de vida será trabalhado serão bem diferentes.

As pessoas com quem você conviverá não terão as mesmas caraterísticas e seus parceiros não terão os mesmos dons da encarnação anterior.

A reação da sociedade poderá ser outra.

Se numa encarnação, por exemplo, havia mais opositores, na posterior podem haver usurpadores.

Se você quer ser pioneiro em alguma coisa numa encarnação e, de repente, morre no começo ou no auge da tarefa, deixada incompleta, desista desse pioneirismo.

Na outra encarnação, poderão haver imitadores e usurpadores que lhe deixaram para trás e roubaram a patente.

É até gozado que os "centros espíritas" acolham músicas como "Como uma Onda", de Lulu Santos e Nelson Motta, cuja letra fala de mudanças irreversíveis na vida.

Isso para depois dizer que tanto faz ter um projeto na encarnação atual quanto na encarnação posterior.

Você pergunta para um "espírita" se, caso alguém morrer na execução de um projeto de vida, ele terá chance de fazê-lo na encarnação posterior.

O "espírita" dirá que sim, com um entusiasmo tolo.

Mas a lógica diz que, se essa execução não é impossível na vida posterior, ela será mais difícil.

Tudo tem que ser reelaborado e, em muitos casos, a vigilância pode ser até maior.

A pessoa que foi impedida de seguir seu projeto de vida, sendo este progressista e audacioso, pode talvez ter sucumbido numa encarnação por causa das barreiras impostas pelas circunstâncias.

Mas, em outra encarnação, esse mesmo projeto, além de já ter sido previamente feito por terceiros, tem a adesão de usurpadores que tomam a causa para levarem vantagem.

É possível que nem sempre haja esse problema, mas a verdade é que nunca se pode esperar que, perdendo uma oportunidade numa encarnação, ela volte inteira e igual na encarnação seguinte.

As encarnações existem, a vida espiritual existe.

Mas cada encarnação é única.

Se não aproveitar uma oportunidade numa encarnação, ela praticamente está perdida.

Porque, na próxima, se a oportunidade reaparece, haverá muitas e muitas diferenças.

Não se recomeça a tarefa em si, mas se refaz todo o roteiro, porque tudo recomeça do zero.

O roteiro anterior terá que ser desfeito. E isso não é tarefa fácil.

Daí que, mesmo havendo várias encarnações, cada uma delas é única.

O que se perdeu numa encarnação, se perdeu para sempre. O que virá depois é outra coisa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O "espiritismo" apoia Jair Bolsonaro?

(Por Demétrio Correia)
Um grande perigo ronda o Brasil.
É a ascensão de grupos fascistas, que são tomados de emoção cega e histérica.
É o lado selvagem da emotividade exagerada, que em aspectos mais dóceis se vê nas atividades do "espiritismo" brasileiro.
A ascensão de Jair Bolsonaro, ex-militar que segue a vida política como deputado federal, é algo que se tem que preocupar.
Sobretudo pela horda de fanáticos que não medem escrúpulos para impor suas opiniões.
O Brasil vive um perigo de ver a democracia sair de suas mãos e de sua bandeira ser suja pelo suor fedorento de direitistas entreguistas.
O Brasil se reduzirá à velha condição colonial anterior a 1822, e de forma piorada, apesar dos avanços tecnológicos dos últimos anos.
Haverá apenas mudança de contexto, até bem pior.
Pois não se terá exatamente o sistema de capitanias hereditárias como se víamos antes.
Teremos coronelismos locais e um presidente ditador ameaçando o povo brasileiro.
A situação é ainda mais preocupante…

"Espiritismo" cofirma seu apoio ao governo Michel Temer

(Por Demétrio Correia)
O jornal "Correio Espírita" veio com uma "pérola" do "espiritismo" brasileiro.
Assim, na cara dura, o periódico anuncia que a tal "Pátria do Evangelho" já foi inaugurada.
A desculpa é que as dificuldades e conflitos extremos em que vive o Brasil seriam "diagnósticos" de males que afligem os brasileiros há décadas.
Segundo o periódico, isso criaria condições para o "despertar dos brasileiros" por um "ideal de amor e fraternidade".
Seria também uma propaganda para tentar salvar Francisco Cândido Xavier, o maior deturpador que maculou gravemente a Doutrina Espírita no Brasil e no mundo.
Sabe-se que Chico Xavier difundiu esse papo de Brasil como "coração do mundo" e "pátria do Evangelho".
Não era uma ideia original.
Ela se inspirou no pretenso profetismo de Jean-Baptiste Roustaing no livro Os Quatro Evangelhos e adaptou ao clima ufanista do Estado Novo.
Mas ela também foi prec…

Um "Cruz e Sousa" fake trazido por Chico Xavier

(Por Demétrio Correia)
Pioneiro dos fakes, Francisco Cândido Xavier iniciou sua trajetória arrivista com um livro de poemas "do além", Parnaso de Além-Túmulo.
O livro se comprova uma coleção de pastiches literários, em muitos casos parecendo verdadeiras paródias, mas que a paixão religiosa deixou passar como "obra autêntica da espiritualidade superior".
Sim, a paixão religiosa, essa orgia sem sexo e nem dinheiro, mas tão mórbida e voltada para os gozos "do outro mundo", tão levianos e lascivos.
Sabe-se que Chico Xavier não realizou os pastiches sozinho e ainda se há de analisar as verdadeiras razões desse embuste literário, sem sucumbir à paixão religiosa que sempre protegeu o anti-médium mineiro.
Aqui vamos comparar um poema de João da Cruz e Sousa (1861-1898), poeta simbolista brasileiro, e um poema do suposto espírito, publicada na referida obra "mediúnica".
À primeira vista, os poemas são idênticos em estilo e mensagem, mas cabe aqui tomar …